Textos

À Desdêmona do Pós-moderno
Desdêmona  de  verde
se reveste de salgueiro:
Imortal  se  verte.
Desmente os  clássicos.
Cala o poeta
e  transforma em plástico
sua, em livros  mortos, moeda.
Lança  fora  o  lenço.
...em  leveza  de  pluma
ele voa levado pelo vento.
Recomeço  de  nova  vida, penso.


Leonardo Lisbôa
Barbacena, 01/01/2013
Leonardo Lisbôa
Enviado por Leonardo Lisbôa em 01/01/2013
Alterado em 01/01/2013
Copyright © 2013. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários