Textos


Tarde em Família
 
a  TARDE deste verão escancarou o relicário de meus santos...
arrancou, com  o cheiro peculiar, aqueles que habitavam o pomar...
meu pai queimando a palha de milho e alho
plantados  entre abacateiro, ameixeira, amoreira, limeira...
-  eternizarei  sempre  a  AMEIXEIRA  em  palavras  gritadas  com  caixa  alta  à moda  de  tambores  primitivos   -
meus irmãos  adolescentes  empinavam pipas...
eu, chorão,
raia linda em losango com barbatanas longas
para lhe dar equilíbrio...
aos arrancos eu o
punha ao céu
(o punho doía)
e
ele esvoaçava barulhento...
 
Anoitecia. 
Liquidificávamos  abacate com leite na preciosidade ARNO,
imponente reinava no tager.
Bebíamos o líquido com o odor
de suores masculinos,
prontos para  cumprirmos a ordem:
- Crescei e multiplicai-vos!
 
Os hormônios fizeram o resto,
o  olho brilha:
criamos famílias chamando
o desejo sexual
de
Amor.
 
Sem mais fases taurinas envelhecemos vendo nossos frutos seguindo a mesma trilha.

Enterramos no jazigo familiar o patriarca.

 
 
Leonardo Lisbôa
Barbacena, 21/03/2018
Caderno da Senectude
Direitos do texto e foto
reservados e protegidos.
L.L..
 
Gosta de Poesias e Crônicas?
Então curta a página POETAR:
https://www.facebook.com/PoetarPoesiaArte
 
_ POETAR_
https://www.facebook.com/PoetarPoesiaArte/
http://www.leonardolisboa.recantodasletras.com.br/
#poetarfacebook      #leonardolisboarecantodasletras
 
 
 
ESCREVA PARA O AUTOR:     
conversandocomoautor@gmail.com
 
Leonardo Lisbôa
Enviado por Leonardo Lisbôa em 06/04/2018
Alterado em 06/04/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários